Filtrar por
áreas de atuação

Possibilidade de exclusão do ICMS da base de cálculo do IRPJ e da CSLL
Sabe-se que o ICMS (Imposto sobre Operações relativas a Circulação de Mercadorias e Serviços) é alvo das mais diversas discussões no Direito Tributário, dado a sua alta complexidade.

Vale ressaltar que o ICMS é um imposto indireto, de competência estadual que incide sobre circulação de mercadorias e prestações de serviços específicas, onde a pessoa jurídica é mero repassador da receita pública, o qual é regulamentado pela Lei Complementar nº 87/1996, também conhecida como Lei Kandir.

Nesse contexto, depois de muito discutir se o ICMS compunha ou não a base de cálculo das contribuições, em março de 2017, o Supremo Tribunal Federal finalmente decidiu pela inconstitucionalidade da inclusão do ICMS na base de cálculo do PIS e da COFINS, o qual tratou o Recurso Extraordinário nº 574.706/PR (com repercussão geral reconhecida) que esclareceu que o ICMS não é faturamento e por esta razão não compõe a base de cálculo das referidas contribuições.

Incialmente, cumpre esclarecer que a contribuição ao Programa de Integração Social (PIS) fora instituída pela Lei Complementar 7/1970, antes do advento da Constituição Federal, com o fim de promover a integração do empregado na vida e no desenvolvimento das empresas.

Enquanto que a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (COFINS), o próprio nome já o elucida, foi instituída pela Lei Complementar nº 70/91.

Para efeitos de recolhimento, a base de cálculo das referidas contribuições é o faturamento, conforme disposto no artigo 195, inciso “I”, letra “b” da Constituição Federal, nos termos a seguir:

“Art. 195. A seguridade social será financiada por toda a sociedade, de forma direta e indireta, nos termos da lei, mediante recursos dos orçamentos da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, e das seguintes contribuições sociais:

I – do empregador, da empresa e da entidade a ela equiparada na forma da lei, incidentes sobre:
(...)
b) a receita ou faturamento;”


Desta feita, a Receita Federal até o julgamento do RE 574.706, aplicava o entendimento que o ICMS compunha a base de cálculo do PIS e da COFINS, considerando-o assim, receita operacional bruta devida por pessoa jurídica.

Todavia, o STF entendeu que o ICMS não caracterizava faturamento ou receita bruta do contribuinte, uma vez que os valores destacados deveriam ser repassados ao fisco estadual.

De fato, é expressiva e de se comemorar a vitória dedicada aos contribuintes de um país com uma das mais altas cargas tributárias do mundo.

A partir disso, e por analogia ao entendimento firmado acima, foram ajuizadas ações contra a União com o intuito de ser apurado os tributos de IRPJ e a CSLL sem a inclusão do ICMS, uma vez que o ICMS não foi considerado como receita/faturamento das empresas pelo STF, e sim um repasse para o Estado, no mesmo diapasão do supra explanado.

Denota-se que a tese vem ganhando força no judiciário, onde estão sendo proferidas decisões, com base no RE 574.706, fundamentando que ambos os tributos remetem à receita bruta como base de cálculo em relação aos contribuintes que optarem por declarar o lucro presumido, permitindo então uma redução significativa nos tributos.

Sendo assim, para as empresas que estão sob o regime do Lucro Presumido é necessário ajuizar medida judicial com o fim de garantir a exclusão do ICMS da base de cálculo do IRPJ e da CSLL, bem como a possibilidade de reaver os valores pagos indevidamente nos últimos 5 (cinco) anos.

A área Tributária do Duarte e Tonetti conta com uma equipe especializada para o auxilio nesta e outras questões em Direito.


Bruna Caroline Marques Almeida - Advogada da área Tributária do Duarte e Tonetti Advogados

* Este artigo tem caráter meramente informativo e é destinado exclusivamente aos nossos clientes, não se tratando, portanto, de parecer ou aconselhamento jurídico.